O mercado brasileiro de fusões & aquisições em outubro de 2022 registra queda de 26,7%. Os setores mais aquecidos foram de Tecnologia da Informação, Instituições Financeiras e Companhias Energéticas. Os Investidores Nacionais predominaram.

Os 126 negócios incorporados no nossos bancos de dados no mês de out/22, tiveram as seguintes caraterísticas como suas credenciais: (i) Mineração  representou o maior investimentos do mês com 46,8 % do total – Cosan & Vale; (ii) Destaque para o porte das transações: os pequenos estão audazes enquanto os grandes cautelosos; (iii) mais de dois terços do volume dos negócios são até R$ 50 MM e cerca de 96% dos investimento são de negócios acima de R$ 50 MM; (iv) os sinais indicam que o volume e o montante de investimentos das transações em 2022, serão menores do que 2021.

  • No mês de outubro/22 foram realizadas 126 transações, queda de 26,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior e investimento de R$ 44,9 bilhões, com uma redução de 17,9%;
  • No acumulado do ano, com 1.471 operações, representa queda de 4,1% no volume e um investimento de R$ 390,2 bilhões correspondendo a uma queda de 32,9% em relação ao mesmo período do ano passado;
  • Os investimentos realizados nas operações de porte superior a R$ 1,0 bilhão foram os que apresentaram a maior redução, de 25,8%.
  • Crescimento de 1,8% do acumulado dos últimos doze meses, 1.838 operações, comparado com o acumulado de um ano atrás;
  • Foram 1.007 transações de porte até R$ 50 milhões no acumulado do ano, com crescimento de 12,5% em relação ao mesmo período do ano anterior. E corresponde a um investimento de R$ 14,4 bilhões, com crescimento de 15,8%.
  • O total das operações de porte superior a R$ 50 milhões alcançou 464 no ano, equivalente a uma redução de 27,4%. Os investimento por sua vez alcançaram R$ 375,8 bilhões com uma queda de 33,9%.
  • O setor de Tecnologia da Informação foi o que apresentou a maior queda no volume de negócios no mês de outubro;
  • Valor médio das transações no acumulado do ano registra queda de 30,0% em relação ao mesmo período do ano passado;
  • Predomínio dos Investidores Estratégicos com queda de 3,7% no volume em relação ao acumulado do ano passado e queda de 22,3% nos investimentos;
  • Os investidores Financeiros registraram redução de 4,8% no volume e de 501,2% no montante dos investimentos no acumulado do ano;
  • Investidores Nacionais com maior apetite no acumulado do ano, totalizaram 1.242 negócios, queda de 4,8%, e o montante de R$ 287,1 bilhões, com redução de 35,3%;
  • No ano os Investidores Estrangeiros registraram 229 negócios, um crescimento de 0,0%, e queda de 26,4% no valor dos investimentos;
  • Foram mapeados 16 negócios realizados por investidores de 9 países. Os EUA, com 5 operações e investimento da ordem de R$ 1,9 bilhão foi o de maior apetite;
  • Maior transação do mês de outubro/2022 – Aquisição de 6% da Vale pela Cosan – A Cosan (CSAN3) anunciou que adquiriu cerca de 4,9% das ações da Vale com direito a voto. O valor de mercado atual da Cosan soma R$ 32 bilhões, e as compras de ações da Vale representam um investimento de aproximadamente R$ 21 bilhões.

ANÁLISE DO MÊS

Grau de concentração setorial

Os 5 setores mais ativos – TOP 5 – responderam no mês de outubro/22 por 62,7% do total das operações, contra 71,5% no mesmo mês do ano passado (e 69,6% em 2020), representando um crescimento da participação dos demais setores em detrimento da concentração verificada entre os 5 mais expressivos.

M&A Nº de transações

Queda de 26,7% do número de operações em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Foram divulgadas com destaque pela imprensa no mês de outubro 126 transações em 24 setores da economia brasileira, registrando uma queda de 26,7% em relação ao mesmo mês do ano anterior ( 172 operações).
Confrontando com o mês anterior, constata-se um crescimento de 1,6%, quando foram apurados 124 negócios.

M&A Volume de negócios

Evolução nos últimos 5 anos

No acumulado dos primeiros dez meses do ano de 2022, apuradas 1.471 operações, registra queda de 4,1% se confrontado com igual período de 2021, quando foram realizadas 1.534 operações.

Comparativo do volume de transações de M&A

Maiores apetites

Setores mais representativos nos primeiros dez meses do ano. No gráfico dos setores mais ativos no acumulado do corrente ano, além de TI, destacam-se Instituições Financeiras e Companhias Energéticas.

Setores com maior nº de negócios em out:22

O setor de Tecnologia da Informação registrou neste mês ligeira queda no volume e crescimento no montante dos investimentos.

Transações em Tecnologia da Informação - volumes e montantes

A maior transação do ano foi a Movile adquirindo 100% do iFood, em ago/22, em transação que pode chegar a R$ 9,4 bilhões – A holandesa Prosus, controladora da brasileira Movile, assinou acordo para adquirir 33,3% das ações do iFood (Android, iOS) pertencentes ao acionista minoritário Just Eat Holding.

Em segundo lugar com maior volume de negócios em out/22, foi o setor Instituições Financeiras que manteve o mesmo volume mas com crescimento no montante dos investimentos.

Transações em Instituições Financeiras - volumes e montantes

A maior transação no mercado de Instituições Financeiras foi realizada em Itaú pagará R$ 7,9 bilhões por nova fatia da XP  – abril22 – por que o banco fará a aquisição após se desfazer de sua participação original na corretora –

Em terceiro lugar com maior volume de negócios em out/22, foi o setor Companhias Energéticas que aumentou em volume mas registrou queda no montante dos investimentos.

Transações em Companhias Energéticas - volumes e montantes

Maior transação no setor de Companhias Energéticas foi a privatização da Eletrobras em jun/22, com oferta de R$ 33,7 bilhões na Bolsa – A oferta de ações que resultou na privatização da Eletrobras movimentou cerca de R$ 33,7 bilhões.

Acumulado do volume de transações dos últimos doze meses.

O mês de outubro/22 registra uma nova queda.

Com 1.838 operações de M&A acumuladas nos últimos doze meses, representa uma queda de 2,4% do número de comparativamente com o mesmo período do mês anterior. Já em relação ao mesmo período acumulado do ano anterior – out/21, o aumento é de 1,8%. Desde janeiro/22 o percentual de crescimento acumulado anual vem caindo constantemente.

No gráfico do acumulado, pode-se inferir ciclos distintos de crescimento e queda do número de transações. Destacam-se prováveis fatores que mais estão repercutindo nas expectativas de investimentos. Integra também o gráfico, (i) a evolução da série histórica do índice BOVESPA (desempenho das ações negociadas na B3), no mesmo período, e (ii) a evolução da taxa de câmbio.

Os primeiros dez meses de 2022 está sendo marcado por panorama macroeconômico com inflação e juros elevados, além dos desdobramentos da invasão da Rússia na Ucrânia e as incertezas com o rumo dos resultados das eleições no País.

Acumulado de transações de M&A nos últimos 3 anos

Porte das transações: pequenos audazes enquanto os grandes estão cautelosos

Das 126 transações apuradas no mês, 85 são de porte até R$ 50 milhões – 67,5 % do total e responderam por 2,2% do seu valor. No acumulado do ano, para este mesmo porte de operações, foram compiladas 1.007 transações representando 68,5% do total e 3,7% do valor. E impacta um crescimento de 12,5% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Já para as operações de porte  superior a R$ 50 milhões – no acumulado do ano –  foram 464 transações significando uma queda de 27,4% em comparação com o ano passado, quando foram concretizadas 639 operações e movimentaram R$ 375,8 bilhões representando uma queda de 33,9%.

Vale destacar que a maior queda ocorreu nas transações de porte acima de R$ 1,0 bilhão, que registrou 68 negócios, com uma redução de 54,1%, impactada sobretudo pela pela turbulência econômica que estamos atravessando.

Nº de transações de M&A em função do Porte - out-22

No comparativo das participações das transações em função do porte nos primeiros dez meses do ano, permite identificar a variação do volume – percentual – ao longo dos últimos 3 anos.

A mudança estrutural mais significativa em relação ao mesmo período do ano passado está na redução do volume das transações de porte acima de R$ 1,0 bilhão, que caiu de 9,6% do total para 4,6%. De outro lado, as operações de montante até R$ 50 milhões aumentaram sua participação relativa de 58,3% para 68,6%.

Representatividade dos portes por volume de transações M&A out-22

Em outubro ocorreu uma queda de 17,9% do montante dos investimentos em relação ao mesmo mês do ano anterior.

Quanto aos montantes dos negócios realizados no mês, estima-se o total de R$ 44,9 bilhões, com uma queda de 17,9% em relação ao mesmo mês do ano anterior – considerando Valores Divulgados (92,4%) e Não Divulgados/Estimados (7,6%). Em relação ao mês anterior – setembro, verifica-se um crescimento de 101,3% quando atingiu o montante de R$ 22,3 bilhões.

Queda de 32,9% do montante dos investimentos no acumulado do ano. Quanto aos montantes dos negócios realizados no acumulado do ano estima-se o total de R$ 390,2 bilhões, representando uma queda de 32,9% em relação ao mesmo período do ano passado.

Os investimentos realizados nas operações de porte superior a R$ 1,0 bilhão foram os que apresentaram a maior redução, de 35,8%.

Montante das transações de M&A em função do Porte out-22

No comparativo das participações das transações nos primeiros dez meses do ano, permite identificar a variação dos investimentos – percentual – em função do porte, ao longo dos últimos 3 anos.

Merece registro a mudança estrutural, em relação ao mesmo período do ano passado, no aumento dos investimentos apurados nas transações de porte de até R$ 50 milhões, que evoluiu sua participação relativa de 2,1% do total para 3,7%.

Valor médio das transações

Valor médio das transações no acumulado do ano registra queda de 30,0% em relação ao mesmo período do ano passado.

O valor médio das transações realizadas no acumulado do ano alcançou R$ 265,3 milhões, contra R$ 379,0 milhões no mesmo período de 2022, representando uma queda de 30,0%.
Por sua vez, o valor médio dos negócios de porte acima de R$ 1,0 bilhão tiveram o maior crescimento, de 39,7%.

Valor médio das transações em função do porte out-22

Dinâmica & Origem dos Investidores

Dinâmica e Origem dos Investidores out-22

Mapeamento do volume de transações a partir da perspectiva do investidor estratégico e do investidor financeiro. Aborda também o apetite entre investidores nacionais e investidores estrangeiros.

Investidores Estratégicos

Predomínio dos Investidores Estratégicos – queda de 3,7% no volume em relação ao acumulado do ano passado e tiveram redução de 22,3% nos investimentos.

O maior apetite neste mês ficou por conta dos investidores Estratégicos com 82 operações equivalente a 65,1%, e responderam por 95,3 % dos montantes investidos. No acumulado do ano, os Estratégicos, com 951 operações tiveram queda de 3,7% em relação ao ano passado, e responderam por 64,6% dos negócios e 73,4% dos investimentos, no montante de R$ 286,4 bilhões, o que significa uma queda de 22,3 % em relação ao mesmo período do ano de 2021.

Investidores Financeiros

Os investidores Financeiros tiveram queda de 4,8% no volume e de 51,2% no montante dos investimentos no acumulado do ano.

Realizaram 44 operações no mês de setembro num montante de R$ 2,1 bilhões. No acumulado do ano os investidores financeiros alcançaram 520 operações – queda de 4,8% – correspondendo a 35,4% dos negócios e 26,6% dos investimentos, no valor de R$ 103,8 bilhões, representando uma queda de 51,2% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Investidores Nacionais

Investidores Nacionais com maior apetite no acumulado do ano, redução no volume, de 4,8%, e queda no montante dos investimentos de 35,4% .
Os investidores de Capital Nacional foram responsáveis no mês por 112 operações, 88,9%, e investimento da ordem de R$ 33,8 bilhões, correspondendo a 75,2% do total. No acumulado do ano, os nacionais foram responsáveis por 1.242 operações – queda de 4,8% em relação ao ano anterior, e responderam por 84,4% das operações. O investimento foi da ordem de R$ 287,1 bilhões, o equivalente a 73,6% do total, correspondendo a uma queda de 35,4 % em relação ao mesmo período do ano anterior.

Investidores Estrangeiros

No ano os Investidores Estrangeiros registraram crescimento de 0,0% no volume de transações e queda de 24,5% no valor dos investimentos. Os investidores de Capital Estrangeiro realizaram no mês 14 operações – 11,1% do total, no montante de R$ 11,1 bilhões – 24,8% do total. No acumulado do ano, os Estrangeiros com 229 operações registraram um crescimento de 0,0% – responderam por 15,6% dos negócios. Os investimentos alcançaram o montante de R$ 103,1 bilhões (26,4%), o que significa uma queda de 24,5% em relação ao mesmo período do ano de 2021.

Importante mencionar que as informações disponíveis sobre os investimentos em relação aos IPOs, na B3, são tratados como de capitais nacionais na data da divulgacão deste relatório. Quanto a aportes de investimentos conjuntos de vários fundos de Private Equity, considera-se a nacionalidade do líder do bloco informado.

No mês de outubro/22, foram mapeados 14 negócios realizados por investidores de 11 países.

Os EUA com 4 operações foram os de maior apetite estrangeiro no mês e um investimento estimado em R$ 6,9 bilhão.

Maior transação do mês de outubro/2022 ( pela relevância foram indicadas 3 )

CLIQUE AQUI e assine nossa Newsletter

QUEM, O QUÊ, QUANDO, QUANTO, COMO e POR QUÊ

A pesquisa FUSÕES E AQUISIÇÕES – DESTAQUES DO MÊS tem o propósito de captar o “clima” do mercado das operações de Fusões e Aquisições bem como sinalizar suas principais tendências. Trata-se da compilacão semanal das notícias visando tornar mais acessíveis e conhecidos os negócios de fusão, aquisição e venda realizados entre empresas com atuação no Brasil. Todas as informações sobre os negócios citados no presente relatório são obtidas a partir de notícias publicadas pela imprensa e divulgadas no “estado” pelo PORTAL FUSÕES & AQUISIÇÕES http://fusoesaquisicoes.com, não sendo feita qualquer verificação quanto à sua veracidade, precisão ou integridade do conteúdo. Sempre que possível, serão mencionados os nomes dos compradores – investidor estratégico ou fundos de private equity, dos vendedores, a tese de investimento e principais “value drivers”, o valor da transação, forma de pagamento, múltiplos praticados (Valor da Empresa/EBITDA, Valor da Empresa/Receita) etc. Muitas vezes a notícia não é clara a respeito dos valores/forma de pagamentos e respectivos múltiplos. É bem-vinda toda e qualquer contribuição para tornar as informações mais precisas e transparentes. Eventualmente podem ocorrer alterações nos dados estatísticos em razão de notícias mais recentes sobre detalhes da transação. Caso o conteúdo estiver em desacordo, nos contate que estaremos retirando o mesmo ou corrigindo a respectiva informação. PORTAL FUSÕES & AQUISIÇÕES.