O presidente da Sabesp, André Salcedo, afirmou que a demanda de investidores estrangeiros pela oferta subsequente de ações (follow-on) da companhia deve ser grande. A declaração foi dada às margens do Summit Valor Econômico, em Nova York. Dentro da chamada Semana do Brasil, o executivo conversou com diversos investidores nos últimos dias.

O que a Sabesp traz é que sua desestatização conjuga três agendas que geralmente não são vistas juntas. Tem a questão ESG, de impacto ambiental, social; um investimento muito grande a ser feito, de R$ 70 bilhões até 2029 com a privatização, então também é uma história de crescimento; e transformação da gestão da companhia, de turnaround, de virar uma companhia mais eficiente, moderna“, comentou. “Então tem muita demanda”, completou.

Ainda assim, ele ressaltou que o momento do mercado de capitais é desafiador, com questões macroeconômicas globais, geopolíticas. “Isso certamente prejudica a dinâmica do mercado de capitais, mas, no geral, vemos um interesse muito grande dos investidores de entender a tese”.

Salcedo tem dito que o objetivo é deixar a companhia pronta para o follow-on a partir de junho, mas lembra que é possível fazer a oferta usando os dados do primeiro trimestre até agosto. “A gente se programou para fazer a oferta no meio do ano, e é o que está acontecendo. O mercado tem uma dinâmica que a gente não controla. Nós temos de estar preparados para lançar a oferta na primeira data possível. … leia mais em Valor Econômico 15/05/2024