Na dianteira desta retomada, especialistas consultados destacam os setores de educação, serviço e tecnologia.

Que o mundo é outro no pós-pandemia, ninguém discute, que os negócios e as relações são outras também, menos ainda. Mas o que isso tem a ver com o mercado de fusões e aquisições (M&A, na sigla em inglês), que caiu muito nos últimos dois anos e mostra uma certa retomada em 2024?

Na verdade, tudo e nada ao mesmo tempo.

Tudo porque a pandemia mexeu com as economias e as cadeias de produção ao redor do globo, impactando diretamente os custos.

E nada porque, historicamente, o mercado de fusões e aquisições sofre uma oscilação “natural” ao longo do tempo.

Apesar dessa gangorra, o setor de M&A vem dando sinais de retomada. Considerando os primeiros quatro meses do ano, há uma alta de 0,50% na base anual, para 397 transações, de acordo com dados da consultoria e auditoria PwC Brasil. Saiba o que é goodwill e como tirar vantagens fiscais em operações de fusão e aquisição no curso Ágio em M&A

“Historicamente, o mercado de M&A não teve mais de dois anos de paralisia. Nunca passou de dois anos uma crise, esse é o período que os detentores de recursos conseguem segurar o dinheiro”, explica o sócio da PwC Brasil… saiba mais em BM&CNews 07/06/2024